Quem sou eu

Minha foto
"Acredito que viver a vida é aproveitar todos os momentos e transforma-los em experiência e sabedoria."

Curta nas redes

Tradutor

Amigos do Dihitt

Pinterest

Follow Me on Pinterest

Fashiolista

Top Blog

Arquivo do blog

Seguidores

Comentários

Tecnologia do Blogger.

Leve me com você


Google+ Badge

Visitantes recentes

Divulgando Parceiros

terça-feira, setembro 25, 2012
                                   



                             

                           
                                           
Cinema é movimento
É atravessar o tempo
É transitar entre o passado e futuro
Pois o presente está aqui...passatempo.

Cinema é movimento
É chorar de rir de contentamento
É resgatar o passado por uma máquina do tempo
É viver,morrer e voltar sem silenciar o pensamento.

Cinema é movimento
Não tem fronteiras,nem limites
É contar várias histórias
Por mais que o tema seja o mesmo.

Cinema é movimento
Tira a tristeza da impossibilidade
Pela possibilidade de ser
É o sonho e a realidade sob a mesma igualdade.

Cinema é movimento
É tomar um café nos anos 20
N’um castelo medieval
Sob cenário preto e branco
Em uma tela colorida.

Cinema é movimento
Da brincadeira de ser Deus
De construir mundos perfeitos
De concertar o que deu errado
E errar o que deu certo. 













Link para essa postagem


segunda-feira, setembro 17, 2012


  Gente, hoje venho comentar sobre dois filme que assisti esse fim de semana, 2 Coelhos(nacional) e A invenção de Hugo Cabret(estrangeiro),os quais indico sem medo,pois ambos mexeram comigo de maneiras diferentes. 
   Calma,eu vou explicar,primeiramente vamos conhece-los.


     2 COELHOS

FILME - Dois Coelhos








Sinopse:
Dois Coelhos marca a estreia de Afonso Poyart na direção de um longa-metragem trazendo a história de Edgar (Fernando Alves Pinto), um homem cansado de tanta corrupção e criminalidade - assim como todos os brasileiros.
A fim de acabar com essa situação e não ser mais vítima da impunidade, Edgar resolve fazer justiça com as próprias mãos. Ele elabora um plano que colocará os criminosos em rota de colisão com políticos gananciosos.
Além da revolta com o sistema, ao longo do filme descobrimos suas reais intenções e sua história, marcada por um terrível acidente e um amor jamais esquecido.
No elenco do filme ainda figuram nomes como Alessandra Negrini (Os Desafinados), Caco Ciocler (Olga), Fernando Alves Pinto (Nosso Lar), Thaide (Caixa Dois), Marat Descartes (Trabalhar Cansa), Thogun (Bruna Surfistinha) e Neco Villa Lobos (Meu Nome Não é Johnny). 

Por keke>Bom pessoal esse foi o primeiro a mexer comigo da seguinte maneira,nunca deixei de botar fé no cinema nacional,acredito que temos potencial para melhorar e fazer filmes bons,independe de serem comerciais ou cult,essa chama reacendeu mais ainda com esse filme,um dos melhores filmes nacionais que assisti nos últimos tempos, e olha que vejo muitos,principalmente os undergrounds,é uma ótima surpresa,ousou sair da mesmice nacional,ação em ritmo frenético,trama bem amarrada,com final que para mim,conclui bem a trama.



      A INVENÇÃO DE HUGO CABRET



A Invenção de Hugo Cabret
Hugo Cabret (Foto: Divulgação)






Sinopse:
Paris, anos 30. Hugo Cabret (Asa Butterfield) é um órfão que vive escondido nas paredes da estação de trem. Ele guarda consigo um robô quebrado, deixado por seu pai (Jude Law). Um dia, ao fugir do inspetor (Sacha Baron Cohen), ele conhece Isabelle (Chloe Moretz), uma jovem com quem faz amizade. Logo Hugo descobre que ela tem uma chave com o fecho em forma de coração, exatamente do mesmo tamanho da fechadura existente no robô. O robô volta então a funcionar, levando a dupla a tentar resolver um mistério mágico.


Conta-se que quando os irmãos Lumière mostraram pela primeira vez, em 1895, seu filme de 50 segundos "A chegada do trem na estação", o público temeu que o trem saísse da tela e o atropelasse. Em "A Invenção de Hugo Cabret", novo filme de Martin Scorsese, essa cena é recriada. É improvável que, nos dias de hoje, alguém se assuste com ela. Mas há outra no longa que pode causar algum susto, quando um trem descarrilado parece realmente avançar para fora da tela. Um susto causado especialmente pela qualidade do 3D e pela incrível capacidade de sedução do longa.

Por keke>Bom,esse filme mexeu comigo de uma maneira diferente,primeiro sou fã de Scorsese,e pra minha surpresa também foi produzido por Johnny Deep,segundo que um filme feito por ele feito para o público infanto-juvenil,até então seria uma novidade(comprei pelo meu filho,mas acho que me encantei mais do que o próprio),o filme é uma bela homenagem ao cinema,seu inicio,como a arte era feita de forma artesanal e delicada,com riqueza de detalhes e emoções,impressiona pela história principal,de como uma criança e sua visão e esperança podem mudar vidas e superar adversidades,emocionante,uma mágica história de arte e beleza.

>>Bom,galera fica aí minha dica,se já assistiram ou irão assistir,depois me contem,abraços.


 







Link para essa postagem


segunda-feira, setembro 10, 2012




    Não queria lembrar, remoer o passado que tanto a atormentara...que ficava batendo a 
sua porta a todo momento. Amarrou-o até então, refletido sob a luz da sua inquietude a rondar sua alma. Decidida que tudo seria alterado a partir do momento do "agora", nova vida,sem lembrar,queria o fator surpresa, o improviso como na peça de teatro. Era tudo que se permitira nesse momento,caminhar sob o que não conhecia, não sentira, não vivera,reinventando.
    A cada passo valia-se de sua data venia.
    Será que tornaria possível?
    Tornaria,decidiu....abdicaria de todo seu passado,ignorando-o. Visto que fora ignorada por ele,por tudo que tinha em mãos,por tudo que conhecia, vidas passadas,religião,amores e pecados. Era o momento para se reinventar...através da dor. Não contentava-se em ignora-la, ela era sua maior aliada nesse momento.
    Era na dor que "inquietude" se fortaleceu, recriou palavras, rompeu paradigmas, alimentou a alma, reinventou sua história.
    E agora o que "inquietude" mais buscava em seu presente abstrato, estava bem diante de si, o imprevisto do novo, segmentado em improvisos, recriando tempos, movendo...vida, provocando...sensações, despindo ...passado.



    Lembranças?!
    Não cabem na inquietude....exaurida no esquecimento.







Link para essa postagem